DOMAINE PÈRE-CABOCHE CHÂTEAUNEUF-DU-PAPE AOC BLANC 2021

Rhône, França
Rhône, França

DOMAINE PÈRE-CABOCHE CHÂTEAUNEUF-DU-PAPE AOC BLANC 2021

Um produtor de peso, com 400 anos de história em Châteauneuf, este raro vinho branco, untuoso e encorpado e fantasticamente complexo, pode se comparar a um Condrieu ou um Chardonnay da Napa Valley!

Selos e premiações

  • D 92
  • JD 93
  • S 93

Harmonize com

  • VegetarianosVegetarianos
  • AvesAves
  • QueijosQueijos

Melhor custo/benefício

Quantidade
Vendido e entregue por: Sonoma Market

Teor Alcoólico

13.50%

Descanso

60 min

Temperatura

12.00 °C

Uva/Corte

  • bourbolenc
  • Grenache Blanc
  • Roussanne
  • Clairette

Sobre o produto

Só 3% dos vinhos produzidos na AOC Châteauneuf-du-Pape são brancos, raridades até na própria França, ainda mais nos últimos anos, pois a procura tem aumentado.

Père-Caboche é uma das famílias de velha guarda da região, com 400 anos de história na produção destes vinhos. Ano após ano, seu cobiçado Châteauneuf-du-Pape Blanc é um dos melhores avaliados entre os críticos internacionais.

Na safra 2021 seu Châteauneuf Blanc foi elaborado por lindo blend das castas nativas mais importantes da região: 40% Clairette, 30% Bourboulenc e 15% cada Grenache Blanc e Roussanne.

Um cuvée que enfatiza frescor sobre o peso, é encorpado e redondo, mas cheio de sabores cítricos e com ótima acidez.

Ao abrir o vinho recomendo deixar na taça ou decanter por uns 90 minutos, começará a abrir maravilhosamente em aromas expressivos e complexos, com notas de mel, flores brancas, frutas em calda como como pêssego e pêra e nuances levemente cítricas.

Em boca é volumoso e combina elegância e complexidade. Pode-se esperar fruta gorda e fresca, seguidas de sabores de gengibre e uma linda mineralidade, que persistem longamente.

A acidez é excelente, um contraste necessário para dar equilíbrio a este vinho que tem bastante estrutura e peso natural (o sul do Rhône possui um clima mediterrâneo e faz muito calor, os vinhos da Châteauneuf sempre tem uma alta graduação alcoólica e corpo pleno, justamente por isso o produtor optou por usar tanques de inox em vez de carvalho para estagiar o vinho antes engarrafa, pois o uso de madeira teria sido exagero).

Vai evoluir facilmente por mais 5 - 8 anos na adega.

Para harmonizar com barriga de leitão, uma seleção de queijos meia cura (um bom canastra será excelente) ou uma galinhada apimentadinha.

93 Pontos - Jeb Dunnuck

O Châteauneuf Du Pape Blanc 2021 é lindíssimo. Oferece frutas cítricas limpas e semelhantes à flor de laranjeira, bem como especiarias sutis, mineralidade calcária e nuances que remetem à óleo essencial de flores. Na boca, tem corpo médio, acidez viva, é texturizado, tem uma pureza notável e um ótimo final.

92 Pontos - Decanter

Se alguma vez você precisou de uma lembrança do verão, para animá-lo durante o inverno, este Châteauneuf-du-Pape branco deve estar no topo da sua lista. Com a produção de vinho branco cobrindo menos de 5% da denominação, é um raro encanto procurar, neste caso com aromas lindamente exóticos, desde pêssego a notas de abacaxi e manga seca, a fruta se destaca por não passar por carvalho e sem fermentação malolática em uma tentativa de preservar a tensão, vitalidade e frescor.

Há uma textura voluptuosa neste vinho com uma explosão de sabores de damasco e especiarias e gengibre no final. Experimente combiná-lo com queijo Beaufort ou Comté. Vale a pena decantar fora da geladeira por pelo menos meia hora antes de servir para permitir que toda a sua complexidade se desenrole.

93 Pontos - Sonoma Market

História

A Família Boisson está na produção de vinhos no sul do Rhône desde 1770, e são os idealizadores do Châteauneuf-du-Pape du Père-Caboche. O patriarca Theophilo Boisson tinha o apelido de "Caboche", o nome que se dá aos pregos usados nas ferraduras dos cavalos, sua primeira profissão antes de virar vinhateiro como a sua família. “Pêre-Caboche” era seu apelido, no dialeto local do Rhône quer dizer “avô resiliente, casca grossa”, pois para virar vinhateiro, não pode ser diferente.

Emilie Boisson trabalha na Câmara Agrária de Vaucluse, e é ferrenha ativista contra as intervenções com pesticidas, o que já foi há tempos eliminado dos seus vinhedos.

Hoje a 9ª geração está à frente da produção, a enóloga e mãe é famosa por seus vinhos que oferecem excelente complexidade e também elegância e finesse dentro da taça, com uso judicioso de carvalho, junto com cimento e tanques de inox e mínima intervenção na processo de vinificação.

Whats App Message